domingo, 7 de septiembre de 2008

AGUAS DE SETEMBRO

Escuchando las noticias sobre el tiempo que está haciendo estos días en la península me vino a la memoria la canción "Aguas de março" de Antonio Carlos Jobim. No estamos en esa fecha pero es que en Brasil marzo es el mes que coincide con el fin del verano. La percepción que tengo hoy tras estas primeras lluvias, a pesar de que por aquí hace todavía mucho calor y apenas ha llovido, es la de fin del verano y comienzo del otoño por más que éste no comience oficialmente hasta el equinoccio otoñal, que tiene lugar normalmente el 22 ó 23 de septiembre. La canción de Jobim viene como anillo al dedo a esta época y no a la de marzo, mes en el que los países situados en el hemisferio sur pasan del verano al otoño. Este asunto de fechas parece intrascendente, además, todavía nos queda calor que pasar y las lluvias torrenciales por aquí no llegarán hasta octubre pero me acordé hoy y no otro día de la dichosa canción.


Pero no... no debe ser tan intrascendente, cuando Jobim hizo la versión en inglés, tuvo problemas con la letra precisamente porque el público al que iba dirigida, el norteamericano, al igual que nosotros, se encuentra en el hemisferio norte. En la versión anglosajona de las "aguas de marzo" -Jobim tuvo que rehacer completamente la letra- no se hace relación al fin del verano sino al deshielo y el fin del invierno :"las riberas de los ríos hablan de las aguas de marzo" .


Versiones las hay casi hasta el infinito pero siempre por lo menos hay una que se considera referencial, y esa es la de Antonio Carlos Jobim y la fallecida Elis Regina, aparecía en 1974 en un álbum titulado "Elis & Tom", aunque la versión de Jobin-Regina no es la primera del tema, éste fue publicado por primera vez por Jobim en un single que acompañaba al semanario O Pasquim, publicado en Río de Janeiro en 1972. Me pregunto si el bueno de Tom se imaginaba el éxito mundial que la canción iba a obtener. Y la que grabó con Elis Regina es la que podéis escuchar, la pareja se lo pasa en grande y al final eso se nota. ¡Si es que dan envidia!:




É pau, é pedra, é o fim do caminho
É um resto de toco, é um pouco sozinho
É um caco de vidro, é a vida, é o sol
É a noite, é a morte, é um laço, é o anzol
É peroba do campo, é o nó da madeira
Caingá, candeia, é o Matita Pereira.

É madeira de vento, tombo da ribanceira
É o mistério profundo, é o queira ou não queira
É o vento ventando, é o fim da ladeira
É a viga, é o vão, festa da cumeeira
É a chuva chovendo, é conversa ribeira
Das águas de março, é o fim da canseira
É o pé, é o chão, é a marcha estradeira
Passarinho na mão, pedra de atiradeira.

É uma ave no céu, é uma ave no chão
É um regato, é uma fonte, é um pedaço de pão
É o fundo do poço, é o fim do caminho
No rosto o desgosto, é um pouco sozinho.

É um estrepe, é um prego, é uma conta, é um conto
é um pingo pingando, é uma conta, é um conto
É um peixe, é um gesto, é uma prata brilhando
É a luz da manhã, é o tijolo chegando
É a lenha, é o dia, é o fim da picada.
É a garrafa de cana, o estilhaço na estrada
É o projeto da casa, é o corpo na cama
É o carro enguiçado, é a lama, é a lama.

É um passo, é uma ponte, é um sapo, é uma rã
É um resto de mato, na luz da manhã
São as águas de março fechando o verão
É a promessa de vida no teu coração.

É uma cobra, é um pau, é João, é José
É um espinho na mão, é um corte no pé
São as águas de março fechando o verão
É a promessa de vida no teu coração.
É pau, é pedra, é o fim do caminho
É um resto de toco, é um pouco sozinho
É um passo, é uma ponte, é um sapo, é uma rã
É um belo horizonte, é uma febre terçã
São as águas de março fechando o verão
É a promessa de vida no teu coração

Un espontáneo en Youtube nos ofrece una fantástica versión:




A stick, a stone,
It's the end of the road,
It's the rest of a stump,
It's a little alone

It's a sliver of glass,
It is life, it's the sun,
It is night, it is death,
It's a trap, it's a gun

The oak when it blooms,
A fox in the brush,
A knot in the wood,
The song of a thrush

The wood of the wind,
A cliff, a fall,
A scratch, a lump,
It is nothing at all

It's the wind blowing free,
It's the end of the slope,
It's a beam, it's a void,
It's a hunch, it's a hope

And the river bank talks
of the waters of March,
It's the end of the strain,
The joy in your heart

The foot, the ground,
The flesh and the bone,
The beat of the road,
A slingshot's stone

A fish, a flash,
A silvery glow,
A fight, a bet,
The range of a bow

The bed of the well,
The end of the line,
The dismay in the face,
It's a loss, it's a find

A spear, a spike,
A point, a nail,
A drip, a drop,
The end of the tale

A truckload of bricks
in the soft morning light,
The shot of a gun
in the dead of the night

A mile, a must,
A thrust, a bump,
It's a girl, it's a rhyme,
It's a cold, it's the mumps

The plan of the house,
The body in bed,
And the car that got stuck,
It's the mud, it's the mud

Afloat, adrift,
A flight, a wing,
A hawk, a quail,
The promise of spring

And the riverbank talks
of the waters of March,
It's the promise of life
It's the joy in your heart

A stick, a stone,
It's the end of the road
It's the rest of a stump,
It's a little alone

A snake, a stick,
It is John, it is Joe,
It's a thorn in your hand
and a cut in your toe

A point, a grain,
A bee, a bite,
A blink, a buzzard,
A sudden stroke of night

A pin, a needle,
A sting, a pain,
A snail, a riddle,
A wasp, a stain

A pass in the mountains,
A horse and a mule,
In the distance the shelves
rode three shadows of blue

And the riverbank talks
of the waters of March,
It's the promise of life
in your heart, in your heart

A stick, a stone,
The end of the road,
The rest of a stump,
A lonesome road

A sliver of glass,
A life, the sun,
A knife, a death,
The end of the run

And the riverbank talks
of the waters of March,
It's the end of all strain,
It's the joy in your heart.


Y la Coca-Cola hizo su anuncio en 1985:


No hay comentarios:

Publicar un comentario en la entrada